31.8.10

Rápido: dos instantes em que sonho

"Enquanto me perco nas mil páginas de um livro sou abruptamente distraído por um afago na orelha. Mais precisamente naquela parte mais carnuda de tal. Distraio-me e perco o foco do assunto, agora o que desejo é a pura continuação desse afeto seguido de prazer contínuo.
Apenas sonho acordado, com os óculos pendurados na ponta de meu nariz. Apenas um desejo de quem está absolutamente fadigado dessa rotina incessante. Talvez, apenas, seja a descrição do que eu queria. Mas não.
Ela está ao meu lado, com seu perfume que atrai uma aproximação. Ali, com sua pele pálida viva. Macia. Doce. Ali em pé olhando profundamente nos meus olhos. Dizendo seu recíproco desejo, incitando meu sexo. 
E quando abro a boca... Ela me deixa na vontade do querer mais. E sai. Assim como chegou.
-
Acordo com o barulho do pedido de silêncio. A biblioteca se cala!"

2 comentários:

  1. sonho explicito
    é crime...
    a biblioteca acaba por ser
    um lugar sugestivo heim...?

    ResponderExcluir